Visa foca em PIX e WhatsApp Pay para crescer no Brasil

Visa foca em PIX e WhatsApp Pay para crescer no Brasil

A empresa de pagamentos Visa está buscando ampliar os negócios no Brasil para além de serviços de cartão.

Para isso, está mirando no PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos e no WhatsApp Pay, que ainda não foi liberado.

Foco em serviços de tecnologia

Conforme noticiou a Reuters nesta quarta-feira (14), a Visa está vendendo serviços de prevenção de fraudes e autenticação de transações para instituições participantes do PIX. 

A ação integra o plano global da empresa para ganhar notoriedade no setor de tecnologia além dos serviços de cartão. Foi o que afirmou o presidente da companhia no Brasil, Fernando Teles:

“Nossa meta é de que os serviços de tecnologia representem dois dígitos das nossas receitas”, disse Teles à Reuters.

Além dos serviços relacionados ao PIX, a estratégia de expansão da Visa no Brasil deve incluir a oferta de serviços de empresas compradas pela companhia recentemente.

Em janeiro deste ano, por exemplo, a Visa comprou a startup de transferências digitais Plaid. Em 2019, a empresa adquiriu a startup de remessas internacionais EarthPort.

No Brasil, a Visa também investiu na empresa de pagamentos digitais Conductor.

Forte concorrência no setor de pagamentos

Essas aquisições da Visa e o foco em serviços de tecnologia são a maneira encontrada pela empresa para não perder força no mercado.

Isso porque as transações financeiras com cartões de débito e de crédito enfrentam uma forte concorrência atualmente. Principalmente com a chegada do PIX, prevista para novembro.

Nesse sentido, Teles destacou que, no longo prazo, esses serviços de tecnologia responderão por uma parcela significativa das receitas da Visa.

Foco no PIX e no WhatsApp

No dia 5 de outubro, como noticiou o CriptoFácil, foi aberto o cadastramento de chaves do PIX. Até o momento, mais de 30 milhões de chaves já foram cadastradas segundo o Banco Central.

O novo sistema vai permitir transações imediatas e gratuitas 24 horas por dia, todos os dias do ano.

Mas não é só no PIX que a Visa está focada. A empresa também pretende participar da modalidade de pagamentos pelo WhatsApp, o WhatsApp Pay, que só está autorizada a funcionar em fase de testes.

Segundo a Reuters, a taxa prevista para ser cobrada sobre lojistas é de 3,99% sobre o valor das transações. O valor é visto com bons olhos pelo presidente da Visa no Brasil:

“É uma taxa competitiva, considerando que em outros canais, a taxa é maior”, disse Teles.

Leia também: Nota de R$ 200 deve parar de circular, determina Defensoria Pública

Leia também: Buscas no Google por Bitcoin e DeFi caem no último trimestre

Leia também: B3 bate recorde de captações e pode superar máxima histórica

Forex Crypto News: Cripto Facil