PIX pode ser a ponte da cédula para as criptomoedas, diz especialista

PIX pode ser a ponte da cédula para as criptomoedas, diz especialista

O sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, o PIX, promete revolucionar o mercado financeiro.

Mas, além disso, pode ser uma ponte entre o dinheiro físico e as criptomoedas.

É o que afirma Wagner Gomes Martin, diretor de Desenvolvimento de Negócios da VeriTran, empresa de soluções bancárias e pagamentos digitais.

A afirmação de Martin foi feita em um artigo para o Estadão, publicado nesta quarta-feira (9).

Passo para as criptomoedas

Segundo o diretor da VeriTran, a sociedade vive um momento de evolução tecnológica, inclusive no sistema bancário. Em contrapartida, ainda há meios de pagamentos que chamou de “dinossauros caríssimos”:

“No Brasil, dinossauros caríssimos como DOC e TED são os dominantes entre os meios de transferência, além do boleto, que é mais caro que o TED, possui compensações que demoram dias e só processam durante um determinado horário.”

Por outro lado, há as criptomoedas que, segundo ele, são uma base monetária muito eficiente e interoperável. Contudo, ainda não possuem uma usabilidade simples e aceitação massificada. 

PIX, Open Banking e Real Digital

Nesse sentido, conforme explicou, o Banco Central vem promovendo iniciativas como o PIX e Open Banking. O objetivo da instituição é dar mais rapidez, facilidade, baixo custo e segurança para as transações financeiras.

Martin afirma que esse contexto digital gera uma demanda cada vez mais virtual. Portanto, é possível que uma Moeda Digital de Banco Central (CBDC, na sigla em inglês) passe a ser considerada. 

Como noticiou o CriptoFácil, o Bacen, inclusive, já afirmou que o Brasil pode ter um Real Digital já em 2022.

Sobre o PIX, Martin observou que se trata de um “instrumento de transferência competitivo com alto potencial de canibalizar os outros formatos”.

Assim, como reduz a necessidade de sacar dinheiro, propõe a ascensão do digital – algo que pode (e vai) culminar no Real Digital:

“Com isso é possível vislumbrar uma criptomoeda regulada por um banco central operando através de meios de transferências digitais e online. O PIX é um dos instrumentos essenciais para o futuro de uma moeda digital dentre outros do entorno Open Banking. Promovendo esta digitalização funcional para o momento atual”, finalizou.

Leia também: Setembro é o pior mês para o Bitcoin, aponta relatório

Leia também: PIX pode gerar economia de R$ 1 bilhão para empresas de telecomunicação

Leia também: Tokens DeFi valorizam 80% mesmo durante baixa do mercado

Forex Crypto News: Cripto Facil