JPMorgan afirma que Bitcoin sobreviverá a crise como um ativo de especulação

JPMorgan afirma que Bitcoin sobreviverá a crise como um ativo de especulação

Em março, o Bitcoin – como muitas outras áreas do mercado – sofreu uma série de perturbações graves quando as economias mundiais fecharem. O que fez os investidores fugirem de ativos mais arriscados devido ao surto de coronavírus. Mas o Bitcoin surgiu relativamente inalterado, de acordo com um relatório do banco JPMorgan.

O estudo intitulado “A criptomoeda faz seu primeiro teste de estresse: ouro digital, pirita ou algo parecido?” foi feito pelos estrategistas Joshua Younger e Nikolaos Panigirtzoglou. Nesse estudos, eles afirmam que as criptomoedas sobreviveram à loucura de março, sugerindo uma “longevidade como uma classe de ativos”.

Em outra parte do estudo, eles afirmam que:

“A ação dos preços aponta para o uso mais como veículo de especulação do que como meio de troca ou reserva de valor”.

JPMorgan

O Bitcoin parece ter sido correlacionado com ativos mais arriscados, como ações, disseram os estrategistas do JPMorgan.

Esse parecia ser o caso na quinta-feira, quando a maior criptomoeda do mundo caiu 7,8% em meio à pior queda do S&P 500 em 12 semanas. Na sexta-feira, ele recuperou cerca de um terço das perdas do dia anterior e negociando em torno de US$ 9.500. Ele ganhou cerca de 75% desde meados de março, mas ainda está metade do seu recorde de quase US$ 20.000.

Seu Nascimento

O Bitcoin nasceu na crise de 2008 com a publicação do White Paper “Bitcoin: um sistema de caixa eletrônico ponto a ponto”. Isso tornaria quase 12 anos de idade. O crash de março foi o primeiro teste de estresse do Bitcoin, dizem os estrategistas, que apontam que a existência relativamente nascente do token o impediu de sofrer retrações anteriores. Durante esse período, os movimentos do Bitcoin foram voláteis – mas esse também foi o caso das classes de ativos mais tradicionais.

JPMorgan

O principal ponto positivo foi que durante o pânico de março, às avaliações não divergiram muito dos níveis intrínsecos. O que significa que seu valor caiu apenas brevemente abaixo dos custos de mineração, mesmo com o aumento da volatilidade. Além disso, havia poucos sinais de fuga à liquidez dentro da classe de ativos. Durante períodos de crise os traders seguiram em busca de segurança e em direção a ativos menos voláteis desse mercado. Mas a maioria caiu ao mesmo tempo – e essa correlação aumentou nos últimos meses.

“Isso sugere que há pouca evidência de dinâmica de execução, ou mesmo de níveis de qualidade material entre as criptomoedas, mesmo durante os lances da crise em março”, eles escreveram.

Finalmente, a estrutura de mercado do Bitcoin acabou sendo mais resiliente do que a dos outros ativos, eles escreveram. Para medir isso, os estrategistas analisaram o spread da oferta e compra, que está diretamente relacionado à volatilidade. Quando a carteira de pedidos diminui, uma determinada transação pode resultar em uma mudança de preço maior e vice-versa. Embora o Bitcoin tenha tido graves quedas de liquidez no pico da crise, essa ruptura se desenrolou mais rapidamente do que outros ativos.

Leia também: Taxa de transação do Bitcoin fica 91% mais barata após o halving

Leia também: Analista financeiro aponta que Bitcoin pode bater R$ 1,9 milhão em breve

Leia também: Ex-Banco Central da China diz que Bitcoin é a aplicação mais comercial da blockchain

Forex Crypto News: Cripto Facil