Hash rate do Bitcoin cai 10% após mudanças climáticas na China

Hash rate do Bitcoin cai 10% após mudanças climáticas na China

A taxa média de processamento (hash rate) na rede do Bitcoin caiu mais de 10% desde o início deste mês. A informação veio de dados do pool de mineração BTC.com.

O poder de computação médio total na rede do Bitcoin foi de cerca de 142 exahashes por segundo (EH/s) nas duas primeiras semanas de outubro.

Porém, a média contínua de 7 dias da taxa de hash do Bitcoin diminuiu 11% desde desde 18 de outubro. Atualmente, ela está em 126 EH/s.

Enquanto isso, o preço do Bitcoin superou os US$ 13 mil no mesmo período.

Temporada de chuvas na China provoca queda

Uma das principais razões por trás da recente queda no poder de computação é a mudança da estação na China. O país abriga mais de 70% das mineradoras do mundo, que controlam 65% do hash rate.

Essa visão foi confirmada em uma mensagem escrita por Kevin Pan na segunda-feira (26). Pan é cofundador do pool de mineração PoolIn.

“A temporada [de verão] hídrica terminou e agora começa uma temporada de águas calmas de um mês. “Uma grande migração começou agora com os mineradores em busca de usinas de energia a base de combustível fóssil antes da chegada da estação seca do inverno”, disse.

O verão chuvoso da China geralmente dura de junho a outubro. As chuvas fornecem excesso de energia, o que resulta em preços de eletricidade baratos durante o verão.

As províncias de Sichuan, Yunnan e Guizhou, no sudoeste do país, são as principais produtoras de energia nessa época.

Porém, a aproximação da estação seca do inverno leva a taxas de eletricidade mais altas e fornecimento de eletricidade mais instável.

Como tal, muitos operadores de mineração já desligaram seus equipamentos de usinas hidrelétricas e os transferiram para usinas de combustível fóssil, que estão espalhadas pelos vastos territórios do norte da China, incluindo Xinjiang e Mongólia Interior.

Isso resultou numa queda de hash rate ligada aos principais pools do país: PoolIn, F2Pool, BTC.com e AntPool. Segundo Pan, cada uma delas teve queda de quase 20% em 24 horas desde domingo (25).

Redução pode impactar ajuste de dificuldade

A queda do hash rate pode impactar o ajuste de dificuldade. Estima-se que o próximo ajuste de dificuldade de mineração do Bitcoin terá uma redução de 10%.

O ajuste serve para equilibrar a dificuldade de mineração de novos Bitcoins. Ele ocorre a cada 2016 blocos (cerca de 14 dias), e o próximo será em cerca de 5 dias.

Embora o processo de migração normalmente leve cerca de um mês, a situação este ano com a pandemia Covid-19 pode tornar isso menos previsível.

Por exemplo, um novo surto de coronavírus foi detectado na cidade de Kashgar, em Xinjiang, no fim de semana. O surto resultou no bloqueio de várias comunidades na região.

Para Mao Shixing, cofundador da F2Pool, isso pode afetar os serviços de logística que estão transferindo equipamentos para a área.

“O novo surto de Kashgar [Covid-19] aconteceu quase na época do período de transição hidro-fóssil. Muitos mineradores ainda estão na estrada”, alertou.

Leia também: Risco e volatilidade do Bitcoin estão diminuindo, aponta especialista

Leia também: Baleias controlam quase 50% dos Bitcoins disponíveis

Leia também: Bitcoin tem apenas uma parada até US$ 20 mil, aponta bilionário

Forex Crypto News: Cripto Facil