Empresa Meu Pé de Bitcoin é investigada pelo Ministério Público

Empresa Meu Pé de Bitcoin é investigada pelo Ministério Público

O Ministério Público de São Paulo (MPSP), por meio da Promotoria de Justiça do Consumidor, instaurou um Inquérito Civil para investigar a atuação da empresa Meu Pé de Bitcoin.

O procedimento foi instaurado em 11 de novembro e publicado no Diário Oficial de São Paulo na quinta-feira (19).

O objetivo do inquérito é fazer uma investigação prévia sobre fatos denunciados. Assim, caso o MPSP encontre indícios de danos, poderá abrir uma ação civil pública contra a empresa. 

Sobre Meu Pé de Bitcoin

Meu Pé de Bitcoin é uma empresa com sede em Caruaru (PE) que afirma atuar no mercado de criptomoedas desde 2017. 

A empresa diz realizar “operações com criptomoedas através de trade”, prometendo um retorno de 10% ao mês sobre o investimento.

Vale ressaltar que as criptomoedas como o Bitcoin têm como característica a volatilidade. Portanto, não é possível garantir retornos fixos sobre investimentos neste mercado.

Nesse sentido, a garantia de um retorno fixo levanta suspeitas sobre a atuação da empresa.

Empresa acumula queixas no Reclame Aqui

Além disso, a Meu Pé de Bitcoin acumula queixas de clientes no site Reclame Aqui, como informou o CriptoFácil.

A principal reclamação é que a empresa está atrasando o pagamento dos rendimentos. Ao mesmo tempo, há clientes relatando que não conseguem receber de volta o valor investido.

Uma das queixas foi feita na quinta-feira (19). Nela, a cliente afirma ter comprado R$ 300 em BTC na Meu Pé de Bitcoin há 3 meses com a promessa de rendimentos de 3% ao mês.

Entretanto, ela alega não ter recebido o lucro prometido e não ter conseguido transferir suas criptomoedas para uma carteira ou exchange.

“Não temos resposta e ninguém da empresa [fala] sobre o motivo. Só ficam me enrolando ganhando tempo e lucrando na nossas costas. Lucrando sim! Pois quando comprei o Bitcoin estava valendo cerca de 50 e poucos mil reais. E hoje beira os 100.000! Estou desempregada precisando de dinheiro (…)”, disse ela.

Outra investidora lesada pelo esquema diz:

“Investi com meu marido um valor com promessa de retorno de 10%. Além da empresa não pagar também não devolver o valor investido não dá prazo de devolução. Toda hora é uma desculpa diferente a milena que não resolve nada”, reclamou.

Consultor já chefiou empresa acusada de pirâmide

Como relatou o CriptoFácil recentemente, o consultor Hélio Caxias Ribeiro Filho é um dos “pilares” da Meu Pé de Bitcoin. Hélio já chefiou a Híbridos Club.

Trata-se de uma empresa acusada pelos seus investidores de atuar como pirâmide financeira desde 2018.

O CriptoFácil também revelou que a Híbridos já foi condenada a restituir quase R$ 200 mil de um cliente.

Leia também: Tokenização de ativos é tendência, afirma Banco Central

Leia também: Paulo Guedes vê possível hiperinflação: como o Bitcoin protege do real?

Leia também: Bitcoin rompe os R$ 100 mil e marca novo recorde em reais

Forex Crypto News: Cripto Facil