Aumento de IPOs no Brasil pode gerar problemas no futuro, aponta especialista

Aumento de IPOs no Brasil pode gerar problemas no futuro, aponta especialista

A oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações na bolsa de valores é um procedimento bastante utilizado pelas empresas que desejam arrecadar capital no mercado.

No entanto, diversas empresas que não possuem uma condição financeira adequada têm realizado IPO’s na B3 Bovespa.

Assim, a questão pode ocasionar problemas nos próximos anos. A opinião é de Ricardo Knoepfelmacher, especialista em reestruturação e finanças.

“Festival” de IPO’s pode causar problemas em 2021 e 2022

Knoepfelmacher falou sobre o problema dos IPO’s numa entrevista recente ao Valor Econômico.

Dessa maneira, o especialista afirmou que várias empresas terão problemas nos próximos dois anos:

“O que temos hoje é um grupo enorme de IPO’s, com empresas no limiar de recuperação judicial e que levantaram recursos com IPO. Mas vejo que um terço desses IPO’s não vai dar certo em 2021 e 2022.”

Segundo Knoepfelmacher, várias empresas do setor imobiliário passaram por um problema semelhante nos anos anteriores.

Após o lançamento das suas ações, essas empresas definharam e passaram a valer uma fração daquilo que foi estimado no IPO.

Agora, de acordo com o especialista, o setor imobiliário está vivendo um novo momento de euforia que pode culminar em prejuízos para os seus investidores num futuro próximo.

Vale ressaltar que o IPO define o momento de abertura de capital da empresa na bolsa de valores. Logo, o valor das empresas de capital aberto passa a ser a soma das suas ações listadas no mercado.

Porém, quando as ações dessas empresas se desvalorizam, os seus investidores arcam com os prejuízos da operação.

Mais empresas planejam IPO’s

Atualmente, o IPO mais esperado pelo mercado é da empresa Enjoei (ENJU3).

A companhia possui uma plataforma de negociação de itens usados na internet e planeja arrecadar mais de R$ 1 bilhão na B3. A oferta inicial da Enjoei será realizada no dia 29 de outubro de 2020.

Ademais, a Pacaembu (PCBU3) está prestes a lançar as suas ações na bolsa de valores de São Paulo.

A Pacaembu é uma empresa do setor imobiliário focada em empreendimentos do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

No entanto, não é possível afirmar que o IPO da Pacaembu está entre aqueles que foram criticados por Knoepfelmacher.

Finalmente, estima-se que a oferta pública de ações na B3 Bovespa já movimentou R$ 40 bilhões em 2020, conforme os dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Leia também: “Tsunami institucional está chegando ao Bitcoin”, diz Tyler Winklevoss

Leia também: Trader revela como transformou 0,19 BTC em 8 Bitcoins em 3 semanas

Leia também: BitcoinTrade já deu quase R$ 1 milhão em Bitcoin a clientes

Forex Crypto News: Cripto Facil