Alta do Bitcoin não vai impulsionar outras criptomoedas, diz trader

Alta do Bitcoin não vai impulsionar outras criptomoedas, diz trader

O portal de informações sobre criptomoedas Coin Bureau não está convicto de que uma subida no preço do Bitcoin vai puxar junto consigo o valor das altcoins e inaugurar uma “altseason”.

Em um novo vídeo, “Guy”, o apresentador do portal, disse que espera que um número menor de altcoins experimente ganhos exponenciais.

“Para aqueles que seguem os mercados de criptomoedas há algum tempo, sabem que geralmente há um pivô para as altcoins depois que o Bitcoin se recupera. No entanto, dado o quão mais sofisticados os mercados se tornaram, é improvável que a maré alta levante todos os barcos. Apenas algumas altcoins têm probabilidade de obter os ganhos”, disse.

Monero tem tecnologia incomparável

A lista de altcoins que podem se beneficiar da alta do BTC começar com a criptomoeda focada em privacidade Monero (XMR).

O analista destacou que as agências de fiscalização estão lutando para decodificar a criptografia de Monero, mas sem sucesso.

Segundo o apresentador, a tecnologia de privacidade da criptomoeda é incomparável. Ele também observou que a tecnologia está em constante evolução à medida que os desenvolvedores trabalham para fortalecer o protocolo e proteger a privacidade.

Além disso, ressaltou que entre os desenvolvedores estão “alguns dos cypherpunks mais hardcore do espaço criptográfico”.

Para o analista, a Monero tem a maior liquidez entre outras moedas digitais de privacidade, embora as exchanges enfrentem pressão para ofertar esse tipo de criptoativo.

Algorand Network (ALGO)

O número dois em sua lista é a Algorand Network (ALGO). O ativo digital visa desenvolver uma blockchain segura, escalonável e descentralizada.

Ele destaca ainda a recente integração da USD Coin (USDC) na Rede Algorand. A novidade permitirá aos usuários enviar a stablecoin na Rede Algorand de forma mais barata e rápida que no Ethereum, por exemplo.

“Também não é segredo que a USDC está se tornando globalmente uma stablecoin, de fato. Por exemplo, você recebeu a notícia monumental de que a Visa estaria oferecendo liquidação em USDC para todos os seus 60 milhões de comerciantes. Toda essa demanda de transação precisará de uma cadeia de blocos super rápida e eficiente para ser resolvida”, observou.

Thera

A terceira escolha do analista é Theta. Este é um projeto que visa transformar streaming e entregar conteúdos online em uma infraestrutura descentralizada.

Segundo o apresentador, embora o streaming seja muito bom, as plataformas que oferecem o serviço são centralizadas. Portanto, a Theta se torna uma opção muito atraente.

Além disso, ele destacou que a Theta começou com transmissão de esportes eletrônicos, mas já estão entregando conteúdos sobre pôquer e criptomoedas.

Paralelamente a isso, fizeram parceria com a MGM para transmitir brevemente os clássicos de Hollywood.

Protocolo Injective (INJ) e BarnBridge (BOND)

A quarta escolha, é o Protocolo Injective (INJ). Trata-se de uma exchange de derivativos descentralizada (DEX) construída no Cosmos.

Por fim, a quinta e última escolha do analista é BarnBridge (BOND), um projeto para tokenização de risco. Conforme explicou, o projeto funciona reunindo fundos na plataforma. Em seguida, aloca esses fundos para diferentes protocolos de finanças descentralizadas (DeFi). Isso inclui produtos como Aave, Compound, dYdX, Synthetix, etc.

Isso significa, portanto, que é possível investir em diferentes tranches de risco com base em rendimentos e tolerância ao risco.

Leia também: Ações tokenizadas: saiba como investir na bolsa com criptomoedas

Leia também: Mais de R$ 550 mil: homem encontra 2,7 BTC esquecidos em sua carteira

Leia também: Polkadot dispara 40% em apenas 24 horas; entenda a alta

Forex Crypto News: Cripto Facil