Além de exchanges, XP Investimentos também sofre com Itaú

Além de exchanges, XP Investimentos também sofre com Itaú

O Itaú é o maior banco privado do Brasil. Com R$ 250 bilhões em valor de mercado e R$ 43 bilhões em receita, é uma das mais valiosas e rentáveis empresas da B3. E como toda grande empresa, teme cada vez mais a concorrência dos pequenos.

É o que mostra a mais recente campanha publicitária feita pelo banco. O vídeo foi divulgado no dia 23 de junho no intervalo do Jornal Nacional – um horário bastante nobre. E a campanha teve um alvo direto: a corretora XP Investimentos, uma das principais concorrentes do Itaú.

Conflito de interesses da XP e exaltação de serviço premium

A campanha acusava produtos financeiros oferecidos por corretoras e conflito de interesse com os assessores independentes vinculados à XP. O vídeo insinuava que os assessores não ofereciam os melhores produtos para seus clientes, mas sim os que pagassem as melhores comissões aos agentes.

“Em 2019, a corretora fez muito investidor se achar o Rei de Wall Street. O que não estava claro é que eles ganhavam comissão por cada recomendação de investimento. Agora você já sabe a verdade. Em 2020, invista com os especialistas isentos do Itaú Personnalité. Em 2021, você vai se agradecer por isso.” diz o vídeo.

Ao mesmo tempo, o Itaú exaltou as qualidades do Itaú Personnalité, serviço do banco focado em clientes de alta renda. O valor mínimo de entrada no Personnalité é de R$ 500 mil.

Sócios, porém rivais

O mais curioso é que o Itaú é o principal acionista da XP. O banco detém 49% do capital da empresa, embora possua poder limitado de voto. No entanto, a relação entre a XP e o sistema bancário sempre foi um caso de rebeldia contra o sistema, por assim dizer.

Desde a sua fundação em 2001, a XP se posicionou como uma empresa inovadora, que buscava retirar os investidores do sistema bancário. A própria venda da participação ao Itaú teve bastante relutância por parte do CEO e fundador da empresa, Guilherme Benchimol.

Benchimol, aliás, não deixou barato. Logo após a divulgação da campanha, ele divulgou um texto em resposta ao que chamou de “ataques do Itaú“. A frase que marcou o texto foi um ataque direto ao banco. “Tenho uma certeza: se tem algo que o banco não é, nem nunca foi, é ser feito para você”, afirmou Benchimol.

Exchanges também sofreram com o Itaú

E o combate direto à inovação por parte do Itaú não atinge apenas as corretoras. O mercado de criptoativos brasileiro também sofreu, especialmente as exchanges. O Itaú é conhecido no mercado de criptoativos como um dos piores bancos corretoras e negociadores de criptomoedas.

Praticamente nenhum deles utiliza o Itaú. E quem já utilizou teve vários problemas. Em janeiro, o CriptoFácil relatou que o Itaú recusou um acordo para manter as contas de exchanges abertas. Desde 2019, existem processo contra o banco no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). A maioria deles é relativa a fechamento de contas.

Embora o Itaú se vanglorie de utilizar a tecnologia blockchain, o trato com as criptomoedas chega a ser quase uma censura. Isso levou muitas personalidades do mercado cripto brasileiro a se manifestarem e repúdio às atitudes do banco. Como o caso de Rocelo Lopes, CEO da Stratum.

Se o Itaú repudia o Bitcoin, os sócios da XP deram um exemplo oposto com a XDEX, exchange de criptomoedas que encerrou as atividades em 2020.

Leia também: Quadrilha que roubou R$ 35 milhões e comprou Bitcoins é alvo do Ministério Público

Leia também: CVM proíbe mais uma empresa de forex de atuar no Brasil

Leia também: Foxbit é removida da lista de exchanges do Bitcoin.org

Forex Crypto News: Cripto Facil