Ergo realizou uma pesquisa bastante extensa sobre o assunto, analisando várias carteiras que acreditam-se estarem associadas ao suposto golpe. Confirmando a quantidade de fundos em Bitcoin, é possível ter uma ideia de quantos Bitcoins a equipe do PlusToken poderia despejar (ou despejou) no mercado de criptomoedas, possivelmente respondendo a ações de preços passadas e futuras. O analista observou 200.000 BTC como a quantia declarada que o suposto esquema poderia ter originalmente controlado

Baseado no gráfico acima, que estima a quantidade de Bitcoins arrecadados pela empresa, Ergo concluiu que 1.300 BTC provavelmente foram vendidos todos os dias até agora, em novembro, no entanto, supondo que as vendas continuem, o preço do Bitcoin ainda terá dificuldades por pelo menos dois meses para se recuperar.

“Podemos usar as estimativas de vendas diárias e o total não combinado de ~ 58.000 BTC para estimar a duração da venda restante, entre 1,5 e 2 meses”, concluiu.

A Plustoken foi um golpe recente que atingiu usuários em toda a Ásia. Camuflada de carteira de criptomoedas, a empresa prometida retornos de até 1% ao dia para quem deixasse suas criptomoedas custodiadas na suposta carteira. Os rendimentos eram pagos em uma criptomoeda própria que também alimentava um “mercado” paralelo de compra e venda e chegou a ser aceita até mesmo em grandes redes varejistas na Ásia.

Contudo, após um tempo, o golpe foi revelado e os supostos seis operadores do esquema foram presos na China. No entanto, mesmo após a prisão, os fundos continuaram a ser movimentados e pesquisadores acreditam que eles estavam armazenados em uma carteira multi-assinatura e que o golpe teria sido na verdade orquestrado por um russo e um sul-coreano que permanecem soltos e longe das autoridades. Eles estariam movimentando os recursos conseguidos com o golpe. Estima-se que eles tenham arrecadado mais de US$1 bilhão em criptomoedas.

Leia também: Promessa de vida luxuosa é alerta, diz advogado sobre pirâmides financeiras