A Ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos Damares Alves, que protagonizou no início de seu mandato uma polêmica envolvendo uma criptomoeda que seria criada para indígenas no Xingu, afirmou, durante um programa na Rádio Jovem Pan, que crianças estão sendo aliciadas para serem “consultoras de jogos” e, pelos seus serviços, são pagas em Bitcoin.

“Alguns pais começaram a procurá-lo […] porquê seus filhos estavam recebendo créditos em moedas virtuais, Bitcoins, e eles não sabiam. Eles foram atrás, descobriram que enquanto os pais estão dormindo, adultos estão contratando crianças para serem consultoras de jogos. Há adultos que estão jogando e não sabem pular um nível, encontra uma criança que está ali, que sabe aquele jogo e […] paga em moeda virtual. Estamos diante de uma nova modalidade de trabalho infantil no Brasil”, disse.

Segundo a Ministra, pais de crianças teriam procurado um homem chamado “Dr Gabriel”, preocupados com esta “nova modalidade de trabalho infantil”, na qual adultos contratariam crianças para que elas fossem consultoras de games. Damares contudo não soube explicar se o trabalho é feito com ou sem consentimento das “crianças” e nem qual a idade delas. Tampouco deu qualquer detalhe sobre o “crime”, que ela chamou de trabalho infantil.

Damares Alves, assim como outros Ministros e integrantes do governo Bolsonaro, já deram declarações e depois retiraram sua fala. No caso de Damares, a Ministra chegou a dizer que era advogada e mestre em educação, contudo, após uma pesquisa em seu histórico acadêmico, foi constatado que ela não possuía qualquer diploma ou comprovação dos cursos superiores. Na ocasião, a Ministra esclareceu afirmando que era “doutora pela bíblia”.

Leia também: Ministro do STJ cita criptomoedas como um dos desafios da advocacia brasileira