Roubo de senhas e chantagem contra empresas são tendência para 2020

Segundo a Kaspersky, uma das principais empresas de segurança cibernética do mundo, o ano de 2020 deve testemunhar o retorno de ransomwares direcionados a cadeias de suprimentos, pois se provaram muito lucrativos e com maior retorno para os criminosos. Este tipo de ataque, ao infectar um determinado dispositivo, criptografa os dados dos usuários e pede resgate em criptomoedas.

Além disso, segundo a empresa, a situação social em vários países da América Latina deve impulsionar o uso de redes sociais para a manipulação da opinião pública e desinformação. A Kaspersky desenvolveu os prognósticos de 2020 para a América Latina com base no expertise de seus especialistas e em análises feitas ao longo deste ano. As indicações devem ajudar tanto empresas quanto usuários finais a entenderem os desafios que podem enfrentar nos próximos meses e como eles podem se preparar.

  1. Manipulação da opinião pública via redes sociais. Durante o próximo ano, usuários verão ainda mais exemplos do uso de redes sociais para a propagação de campanhas com o objetivo de desinformar e manipular a opinião pública. Embora já tenham sido registrados casos relacionados a esse assunto, ainda não há investigações sobre os principais atores envolvidos, tampouco indicação concreta de como usam os meios de comunicação para divulgar “notícias”. O nível de orquestração de tais ataques alcançará sofisticação proeminente;
  2. Infecções por ataques às cadeias de fornecedores. Empresas de software populares da região se tornarão alvos. O nível de maturidade em cibersegurança de muitas dessas companhias, como softwares de contabilidade, é baixo. No entanto, tendo em vista que a penetração desses programas geralmente é elevada, ataques a este nicho têm alto impacto – porém, para os criminosos, o investimento é mínimo;
  3. Worms se aproveitarão das vulnerabilidades no Windows 7. Como o suporte técnico deste sistema termina em 14 de janeiro do próximo ano e, de acordo com a Kaspersky, cerca de 30% dos usuários da região ainda o usam diariamente, os cibercriminosos devem aproveitar de brechas de segurança sem correções para atacar seus usuários, assim como aconteceu com o Windows XP;
  4. Roubo de senhas de sites de entretenimento. Com a crescente popularidade dos serviços de streaming (Netflix, Spotify, Steam) e o lançamento de novos serviços (Disney +, HBO Max), fica claro que esse tipo de crime aumentará, pois as senhas vendidas serão um bom negócio para os cibercriminosos
  5. Mais golpes relacionados ao Bitcoin. Não apenas haverá um aumento nos ataques conhecidos como “sextortion”, em que a vítima é acusada de ter visto material pornográfico em seu computador e ameaçada com a possibilidade de ser exposta, mas também outros golpes mais elaborados com o intuito de angariar fundos por meio de phishing direcionados a usuários de sites de compra, venda e troca de criptomoedas;
  6. Mais ataques a instituições financeiras. Insatisfeitos com os ataques apenas a clientes de serviços financeiros, os cibercriminosos agora procuram comprometer os próprios bancos ou qualquer instituição que ofereça esse tipo de serviço, como correspondentes ou hubs de transações, como observado recentemente no Brasil, México e Chile. Esses tipos de ataques continuarão na América Latina, realizados por grupos de cibercriminosos locais e internacionais, como o “Lázarus” e “Silence”, que aumentarão sua presença na região;
  7. Ressurgimento do ransomware e ataques mais direcionados. No próximo ano, em vez de exigir dinheiro para decifrar as informações, veremos um aumento nas campanhas de extorsão em que a vítima será forçada a pagar um resgate para que suas informações não sejam expostas publicamente. Isso será particularmente problemático para hospitais, escritórios de advocacia e contadores, bem como qualquer tipo de entidade que lide com informações de terceiros sujeitas à regulação. Além disso, certos grupos de cibercriminosos escolherão alvos de alto perfil, nos quais o impacto do ataque e sua repercussão na imprensa poderão comprometer a operação e a reputação das organizações afetadas;
  8. Expansão do SIM Swapping como serviço na América Latina. Os criminosos oferecerão a clonagem de uma linha telefônica específica para que outras pessoas possam realizar atividades ilegais, como roubo de identidade ou obter acesso a sites financeiros com o objetivo de roubar o dinheiro da vítima;
  9. Exportação “humanitária”. Ciberataques serão direcionados a instituições financeiras e seus clientes, relacionados à migração e deslocamento na região de pessoas por várias razões. Esses cenários trarão novos desafios, mesmo para países onde o cibercrime de alto nível é quase inexistente;
  10. Expansão de ataques de chantagem. Destinados à empresas e grandes corporações e motivado pela adoção das novas legislações que criminalizam incidentes de vazamento de dados. Essas leis, inspiradas na GDPR, estão sendo adotadas em toda a América Latina, com o objetivo de aplicar penalidades severas às empresas que deixam expostos dados pessoais de clientes e colaboradores. Como resultado, os criminosos, ao invadir uma infraestrutura corporativa (e roubar dados), lançam ataques de chantagem às empresas, que terão de escolher entre pagar a penalidade imposta por lei ou ao criminoso.

“O ano de 2019 confirmou a relevância da cibersegurança, especialmente em ambientes corporativos, registrando vários vazamentos significativos de dados após ataques a empresas, vulnerabilidades em apps de mensagens instantâneas e infecções por ransomware em governos municipais e entidades críticas”, afirma Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe de pesquisa e análise para a América Latina na Kaspersky.

“Para 2020, prevemos um aumento desses tipos de ataques na região, especialmente aqueles com maior potencial de impacto na reputação da empresa afetada, bem como no número de pessoas atingidas”, finaliza.

Leia também: São Paulo terá primeiro Centro de Transparência da Kaspersky na América Latina

Forex Crypto News: Cripto Facil