Relatório do JP Morgan fala sobre potencial de adoção de criptoativos e blockchain

Relatório do JP Morgan fala sobre potencial de adoção de criptoativos e blockchain

O banco JP Morgan publicou um relatório abrangente sobre criptoativos e blockchain na semana passada, abordando as perspectivas da tecnologia para adoção convencional e a viabilidade de stablecoins como a Libra, apoiada pelo Facebook.

O relatório JP Morgan Perspectives deste ano afirma que a blockchain teve um uso mais extenso entre empresas como bolsas de valores, embora a adoção por parte dos mercados tradicionais ainda esteja a anos de distância de realmente ser massificada.

Transformação via DLT

Entre as principais conclusões dos autores do relatório: eles “veem o potencial a longo prazo ou a DLT (tecnologia de contabilidade distribuída) para transformar os modelos de negócios dos bancos, fornecendo transferência eficiente e resiliente de informações e armazenamento, que não foram atingidas”. Mas a declaração vem com a ressalva de que o ritmo do progresso dependerá da resolução de preocupações legais e técnicas, particularmente a “integração entre plataformas”.

“Enquanto vemos a implementação generalizada de soluções blockchain em pelo menos três a cinco anos, desafios como o ambiente macroeconômico, estruturas legais e regulatórias e desafios técnicos – como integração entre plataformas – podem desacelerar o progresso adicional”, afirma o relatório .

De acordo com o relatório, os bancos estão cada vez mais usando DLT para construir seus sistemas de liquidação, compensação e gerenciamento de garantias. Ele também observa que “o mercado de criptoativos continua amadurecendo e a participação de investidores institucionais no comércio desses ativos agora é significativa”.

Um olhar mais atento a Libra

O JP Morgan apresenta uma análise detalhada da Libra do Facebook, cujo projeto foi lançado no verão passado e desde então atraiu a atenção de reguladores financeiros ao redor do mundo, incluindo os bancos centrais.

Em particular, os autores do relatório destacam a viabilidade da Libra como sistema de pagamento, questionando se a rede pode atingir uma grande escalabilidade na ausência específica de facilidades de liquidez de curto prazo.

“As stablecoins, e a Libra em particular, têm o potencial de crescer substancialmente e, finalmente, sustentam uma fração significativa da atividade transacional global. No entanto, como atualmente projetadas e propostas, elas não levam em consideração a microestrutura de operação de tal sistema de pagamento, as facilidades de liquidez de curto prazo – particularmente aquelas relativamente isoladas das forças do mercado – introduz o risco de que a atividade cresça mais rapidamente do que a base subjacente da moeda possa suportar com segurança”, afirma o relatório.

“O risco de impasse no sistema de pagamentos, principalmente durante períodos de estresse, pode ter sérias conseqüências macroeconômicas”, continuam os autores.

Olhando para as stablecoins como um todo, os autores do relatório observam notavelmente que “o mundo está absolutamente pronto para o dinheiro privado – a maior parte do que consideramos como moeda fiduciária já é emitida por particulares”.

“No entanto, a provável regulamentação e conformidade necessárias para que as stablecoins sejam aceitas, por exemplo, como pagamento de passivos ao governo central seriam significativas”, finaliza o banco.

Leia também: Ex-consultor jurídico do JP Morgan é nomeado diretor de negócios da Binance na América Latina

Forex Crypto News: Cripto Facil