EUA oferecem recompensa de cerca de R$ 26 milhões por superintendente de criptoativos da Venezuela

EUA oferecem recompensa de cerca de R$ 26 milhões por superintendente de criptoativos da Venezuela

Os Estados Unidos estão oferecendo uma recompensa de até US$ 5 milhões, ou seja, mais de R$ 26 milhões, para quem tiver informações sobre o superintendente de criptoativos da Venezuela, Joselit de la Trinidad Ramírez Camacho.

O anúncio de recompensa foi divulgado nesta segunda-feira, dia 1º de junho. De acordo com uma matéria da agência de notícias AFP, o governo americano incluiu em seu registro sobre fugitivos por lavagem de dinheiro e evasão de sanções financeiras o nome do funcionário do governo de Nicolás Maduro.

Assim, o nome de Camacho passa a integrar o Programa Transnacional de Recompensa ao Crime Organizado do Departamento de Estado. Além disso, conforme revelou o Departamento de Segurança Interna, Camacho também foi incluído na lista dos mais procurados pelo Serviço de Imigração e Fiscalização Aduaneira.

Medida visa combater criminalidade no governo Maduro

Segundo o departamento, a ação tem o objetivo de acabar com a corrupção e a criminalidade ligada ao governo Maduro.

Para o secretário de Estado Mike Pompeo, “o povo venezuelano merece um governo que escolheu livremente e cujos funcionários não conspiram com seus associados para cometer crimes de roubo contra o povo da Venezuela, incluindo lavagem de dinheiro para esconder o produto dessas atividades ilegais”.

Por sua vez, o chefe da diplomacia dos EUA reafirmou, em um comunicado, o comprometimento da capital dos EUA em “ajudar os venezuelanos a restaurar sua democracia através de eleições presidenciais livres e justas”.

“Roteiro hollywoodiano medíocre”

A chancelaria da Venezuela, por outro lado, foi enérgica ao afirmar, também em um comunicado, que os anúncios de Washington têm o objetivo de perseguir Ramírez Camacho. Segundo o departamento, as acusações dos EUA são infundadas e “extraídas de um roteiro hollywoodiano medíocre”.

“É evidente que em meio a protestos maciços (…) e em meio à sua crise humanitária mais profunda em um século que fez mais de 100.000 vidas, o governo de Donald Trump busca distrair a atenção da opinião pública reforçando suas práticas ilegais e coercitivas contra a Venezuela”, enfatizou a chancelaria.

Leia também: Bitcoin marca presença em protestos contra racismo nos EUA

Leia também: Com moedas digitais poder geopolítico dos EUA pode estar em risco, afirma JPMorgan

Leia também: Binance abre negociação de criptomoedas P2P na Venezuela

Forex Crypto News: Cripto Facil